Estávamos em um dia de trabalho normal, quando um visitante bate em minha sala: a maldita enxaqueca. Tontura, mal estar foto e fonofobia. Sem falar na súbita queda de pressão e puxa…descobrir o inevitável: tinha que ir ao hospital. Como se estivesse sem pressa, tive que espera um longo tempo na sala de atendimento de emergência. Em meus pensamentos ocorreram algumas idéias óbvias do que acontece conosco rotineiramente e fazem aumentar o estresse e qualquer enxaqueca existente:



Hospital

1) médicos detestam pacientes atrasados, ao contrário do que eles receitam aos pacientes: Chá de cadeira

2) Em qualquer hospital deve-se respeitar o silêncio obrigatório. No entanto, são feitas correntes de orações em canto no volume máximo. (a minha enxaqueca agradece)

3) descobri que uma das causas das dores de cabeça pode ser o estresse. Então: preocupar-se com o passado é culpa e com o futuro é medo. (cuidem-se)

4) dos mais deliciosos aperitivos, é preciso esquecer o chocolate, a coca-cola, ou seja: cafeína, tô fora!

5) Que pelo melhor profissional que você seja, a saúde e a família estão em primeiro lugar.

6) As emergências e urgências dos hospitais só atendem com a apresentação da carteira de convênio (pobre dos pacientes inconscientes que chegam a esses setores). Viva a burocracia!

7) Que a sua estadia em um hospital pode ser longa mesmo com um problema de saúde mais simples: recepção – senha – espera – marcar consulta – espera – triagem com clínico geral – recepção – espera – médico especializado – espera – aplicação de medicamento – espera

8) O Ministério da Saúde adverte: ir ao hospital pode causar estresse e faz mal a qualquer cidadão consciente – e os inconscientes também.

9) Após o término da leitura dos demais itens acima, você poderia perguntar e o utópico, do título? Bem: utópico? utópico é só um sonho, só um sonho…